quinta-feira, 8 de junho de 2017

O Jejum Ajuda a Mover Montes


Em minha busca, de alguma forma eu sabia que a minha resposta se encontrava no que Jesus disse aos Seus discípulos em Mateus 17. Eu encontrei esta resposta no versículo 21: Mas esta casta não se expele senão por meio de oração e jejum. Jesus analisou a situação inteira em uma palavra: “mas”. “Mas” é uma palavra analítica que significa contudo ou todavia. Na verdade, Jesus estava dizendo
que, mesmo que os montes possam ser movidos com fé do tamanho de um pequenino grão de mostarda, nós encontraremos algumas situações que requerem oração e jejum para serem vencidas.

Jesus estava falando aqui sobre um estilo de vida de oração e jejum. A maioria dos pregadores de
libertação antigamente ensinavam e encorajavam aquele tipo de estilo de vida. Hoje não enfatizamos ou damos tanta importância a isso. O resultado? Embora vivamos em uma época da história da Igreja onde colocamos o ensino da Palavra em primeiro plano, muitos estão despreparados para praticá-La, o que inclui expulsar demônios e mover montes de todos os tipos.

Com freqüência, associamos o jejum com libertação de influências demoníacas, devido a essa declaração de Jesus, de que um certo tipo de demônio pode ser expulso apenas com oração e jejum. Mas, Jesus também disse aos Seus discípulos que a razão pela qual este demônio não saía era a incredulidade (v. 20). Então, Jesus não apenas associou o jejum com a libertação de demônios; como também com o mover do seu monte. Ele disse, “Se você tivesse fé como um grão de mostarda, você poderia falar com o monte e ele seria movido e absolutamente nada seria impossível a você.”

Logo após falar isto, Jesus fez a declaração sobre oração e jejum. Isto indica para mim que estas duas
coisas têm algo a ver com me tirar de um lugar de incredulidade – onde meus montes se recusam a mover-se, onde tudo é impossível para mim – para um lugar onde nada é impossível. Por isso, o jejum não move Deus. Deus não é Aquele que está preso em uma barreira invisível. Meu jejum
também não move o diabo; não é ele que possui o meu problema. De alguma forma o jejum lida com a minha incredulidade.

Mas, minha pergunta para Deus por muitos anos foi esta: “O que o jejum tem a ver com a incredulidade?”.De todos os lugares que procurei a resposta, eu a encontrei em Romanos 8:10:
Se, porém, Cristo está em vós, o corpo, na verdade, está morto por causa do pecado, mas o Espírito é vida, por causa da justiça. Se Cristo vive em você, você está qualificado para o resto deste versículo, isto é, o seu espírito é vida. Ele entrou em zoe, sentado em lugares celestiais com Cristo, a vida de Deus.

Mas, note, o mesmo versículo que diz que meu espírito é vida, também declara que meu corpo é morto. Bem, eu sei que meu corpo não está fisicamente morto, porque eu estou nele. Então, a que tipo de “morto” Paulo está se referindo? Para entender esta passagem em Romanos 8, devemos voltar para o que ele disse em Romanos 6:6: Sabendo isto: que foi crucificado com ele o nosso velho homem, para que o CORPO DO PECADO seja destruído, e não sirvamos ao pecado como escravos. O que é este “corpo do pecado?” É nada mais que a velha natureza herdada do primeiro homem Adão antes
do nosso novo nascimento. Esta é a “natureza do pecado”, o espírito não regenerado dentro de nós antes do nosso espírito passar da morte para a vida, no novo nascimento.

Foi aquela natureza do pecado que costumava energizar os desejos da carne, tais como exaltação própria e o amor ao dinheiro. Então, se Cristo está em você, Deus declarou a natureza do pecado, o “corpo do pecado”, morto, e seu espírito humano nascido de novo, vivo, Nele. Entendemos toda a verdade estabelecida que pertence ao nosso espírito. Por exemplo, sabemos que Jesus foi feito pecado por nós e que nós éramos feitos a justiça de Deus em Cristo (2 Co. 5:21). Estamos agora sentados em lugares celestiais com Cristo Jesus (Ef. 2:6).

Estamos em cima e não debaixo (Dt. 28:13). Contudo, sabemos pouco sobre a verdade estabelecida relacionada a nossa carne. A essência desta verdade é: No momento em que nós nascemos de novo,
Deus declarou o “corpo do pecado” – a natureza do pecado ou o “homem velho” como morto. Está declarado que a carne perdeu sua “fonte de poder” para pecar. Ela perdeu o direito de dominar e não pode mais ditar regras sobre nós. Então, quando você ora no Espírito Santo, adora a Deus e confessa Sua Palavra, você está enfatizando a verdade estabelecida, que: seu espírito está assentado em lugares celestiais com Cristo Jesus.

Quanto mais você ora no Espírito Santo, mais você exerce esta posição de graça. Por outro lado, quando você jejua, você está enfatizando outra verdade estabelecida que é: o “corpo do pecado” foi crucificado com Cristo e sua carne não tem mais poder de ditar regras sobre seu espírito. Assim, quando você começa a jejuar e orar você exerce duas verdades estabelecidas no âmbito do Espírito. Esta é a razão pela qual a oração e o jejum são os poderes gêmeos.

Pr. Dave Roberson

Nenhum comentário:

Postar um comentário