domingo, 21 de agosto de 2016

Dizimo, lei e graça! (Dave Roberson)


Como uma nova criatura em Cristo, você já está livre de tentar se conformar a uma lista do que pode ou não pode fazer. Mas o que significa de fato viver livre nesta nova natureza?

O apóstolo Paulo responde esta questão no livro de Romanos.  Paulo escreveu esta epístola para ensinar uma comunidade judia convertida em Roma a razão pela qual os gentios podem ser salvos pela Nova Aliança.  Estes judeus cristãos estavam tendo problemas em crer como os gentios podiam entrar na mesma herança que eles – como Abraão podia também ter sido o pai dos GENTIOS.

Paulo teve que esclarecer isso aos judeus, porque eles diziam: "Tudo bem, gentios, nós aceitamos o fato de vocês poderem ser salvos e que vocês também são a semente de Abraão. Contudo, a fim de serem aperfeiçoados, vocês têm que guardar a Lei."

Eu sempre quis saber por que Deus enviou Paulo aos gentios e Pedro para os judeus, porque Paulo sabia mais sobre a Lei do que qualquer outro apóstolo.  Pedro sabia bem pouco sobre a Lei.  Aliás, Pedro disse, "Os escritos de Paulo são realmente difíceis de se entender, e as pessoas usam-nos para sua própria destruição" (2 Pedro 3:16).    Pedro estava dizendo, "Mesmo eu sendo um apóstolo, tenho dificuldade de entender o que Paulo está dizendo!".

Contudo, Pedro foi para os judeus e Paulo, para os gentios.  Foi quatorze anos antes de Paulo começar seu ministério que Deus enviou Pedro para a casa de Cornélio, onde os primeiros gentios nasceram de novo e receberam o batismo no Espírito Santo (Atos 10).

Lembre-se que a Igreja Primitiva estava bem no seu início.  Ele pegou uma pessoa que sabia muito sobre a Lei como Paulo para fazer com que os gentios cressem que pudessem ser salvos.  Paulo sabia e aceitava a verdade que pela semente de Abraão, todas as nações do mundo poderiam ser abençoadas.  É por isso que Deus levantou este homem para este fim nesta época.

Paulo foi chamado para salvar o fundamento da Igreja Primitiva indo para a igreja dos gentios a fim de acertar a confusão feita pelos judeus.  Foi por isso também que Deus deixou Paulo escrever aos cristãos judeus em Roma.  Eles precisavam de ajuda para entender que, em Jesus, todos os homens podem ser salvos.

Esta é a total discussão em todo o livro aos Romanos. Inclusive no capítulo dez, muito usado para explicar como uma pessoa é salva, Paulo ainda expressa seu argumento, diferenciando a Lei da justificação verdadeira obtida pela fé.

Embora as pessoas citem Romanos 10:9 e 10 para definir como uma pessoa se salva, elas nem sempre percebem o que esta escritura realmente quer dizer.  Isto veio a mim enquanto eu estava ministrando numa igreja em outro estado.  Eu ouvi falar sobre um homem com um ministério de testemunhos que estava ministrando naquele local.  Este homem ia a estabelecimentos públicos e testemunhava com eficácia sobre a salvação, conseguindo que todos orassem com ele.   Alguém me disse que quatro mil pessoas tinham sido salvas naquele local, por causa de seu ministério.

Mas quando eu voltei àquela comunidade, seis meses mais tarde, nenhuma daquelas quatro mil pessoas que tinham aceitado a Cristo estava presente na igreja.  Aquilo trouxe uma grande pergunta para mim.  Embora este homem tivesse falado da salvação e orado para aquelas quatro mil pessoas, quantas de fato tinham sido salvas?

Alguma coisa parecida aconteceu comigo antes de eu nascer de novo.  Eu estava na Marinha naquela época, e num daqueles dias ao ir a uma festa, de repente uma mulher veio em minha direção com um folheto (daqueles de evangelização) e me perguntou, "Você gostaria de nascer de novo?".

Em Romanos 10:9,10 está escrito que se uma pessoa acredita em seu coração e confessa com sua boca, ela será salva.  Bem, eu posso ter feito alguma oração com a minha boca, mas eu NÃO acreditei em meu coração!

Este tipo de situação é muito comum.  As pessoas têm um rótulo em dizer que acreditam em Jesus, mas isto não quer dizer que elas nasceram de novo.  As palavras delas devem ser sinceras em convidar Jesus para entrar em seus CORAÇÕES.

Assim Paulo apresenta um tremendo argumento em todo livro aos Romanos sem se importar com os gentios que comiam carne de porco e de repente se tornaram a semente de Abraão, herdeiros das promessas.  Paulo explica que os gentios nunca em suas vidas guardaram a Lei antes de serem salvos, e agora, estavam – em particular, os Dez Mandamentos – pela sua nova natureza.

Com estas coisas em mente, vamos ver em Romanos 2:12-14. "Assim pois todos os que pecaram sem lei também sem lei perecerão, e todos os que com lei pecaram mediante lei serão julgados.     Porque os simples ouvidores da lei não são justos diante de Deus, mas os que praticam a lei hão de ser justificados.

Quando pois, os gentios, que não têm lei, procedem por natureza, de conformidade com a lei, não tendo lei, servem eles de lei para si mesmos".

Paulo deu como exemplo de praticantes da Lei, os gentios, aqueles....  que pela (sua nova) natureza fazem as coisas contidas na Lei...  Paulo também destaca no verso 13 que não são os ouvintes da Lei que são justificados diante de Deus, mas os praticantes.

De repente aqueles gentios que comiam carne de porco se tornam praticantes da Lei.  Os que guardam os Dez Mandamentos!  Contudo, a chave nesta passagem é: ELES FIZERAM ISTO ATRAVÉS SUA NOVA NATUREZA.

Paulo explica como isto funciona:

Quando, pois, os gentios, que não têm lei, procedem por natureza, de conformidade com a lei, não tendo lei, servem eles de lei para si mesmos.

Estes mostram a norma da lei gravada no seu coração, testemunhando-lhes também a consciência e os seus pensamentos, mutuamente acusando-se ou defendendo-se,

No dia em que Deus, por meio de Cristo Jesus, julgar os segredos dos homens, de conformidade com o meu evangelho. (Romanos 2:14-16)

Como estes gentios cristãos se tornaram praticantes da lei se não ninguém pregou para eles, pessoalmente, os Dez Mandamentos?  Eles começaram a seguir a própria consciência.  A nova natureza deles os levou a saber que não podiam mentir, andar em adultério, ou cobiçar.

Entenda que um homem espiritualmente morto, nascido com a natureza pecadora, não sabe que ele é um pecador.  Em Romanos 7 Paulo diz:   "Eu não sabia que eu tinha uma natureza pecadora até que Deus dissesse, "Não cobice" e eu tentei parar.  Eu tentei, mas isto era contrário à minha natureza pecadora.  O bem que eu queria fazer, eu não conseguia.  E o mal que eu tentava evitar, eu estava sempre fazendo.   Então eu percebi que não era mais eu que estava fazendo o mal.  Eu queria fazer o que Deus dizia, mas a natureza pecadora em mim me impedia".

Mas agora, de repente, judeus e gentios nasceram de novo.  Eles receberam uma nova natureza e a Lei se tornou parte desta nova natureza.

Uma vez que a sua natureza pecadora é trocada por uma nova natureza com a vida de Deus nela, ninguém precisa pregar os Dez Mandamentos para você.   Você não vai andar em adultério, ou irá cobiçar, mentir, roubar, pois a lei de Deus foi escrita na sua nova natureza.

No versículo 16, Paulo prega essa lei da consciência para o dia em que você vai ficar em pé diante de Jesus no Dia do Julgamento, dizendo eficazmente, "Você irá ser julgado de acordo com o que está no seu coração".

O que Paulo está dizendo?  É muito simples.  Porque eu tenho uma nova natureza, não terei desculpas com relação a tudo o que a minha consciência condenar ou acusar.   Por exemplo, minha nova natureza condena adultério, mentira, e cobiça.  Por isso, eu recuso aceitar estas coisas em minha vida.

Assim, aquilo pelo qual você irá ser julgado quando estiver diante de Jesus é isto: O QUE VOCÊ FEZ COM A SUA NOVA NATUREZA?  Em outras palavras, o seu galardão será baseado no quanto você respondeu da sua chamada divina e até onde você a levou.

Esta é a razão porque cada um terá um galardão diferente quando naquele dia estivermos diante de Jesus. Todos nós recebemos exatamente a mesma nova natureza quando nascemos de novo.  O resto foi acrescentado de acordo com o que cada um de nós acredita e aplica em sua própria vida.

Se nós permanecermos em uma doutrina certa, nós somos levados ao batismo do Espírito Santo depois de nascer de novo.  Se ficarmos numa doutrina errada, diremos que os dons e o Batismo do Espírito Santo já se foram.  Contudo, não importa o que nos foi ensinado, temos uma nova natureza.  Somos também muito abençoados em termos a Bíblia, diferente da Igreja Primitiva.  Podemos ler a Bíblia e decidir em que vamos acreditar, independentemente do que nos ensinem.

Veja, quando nós recebemos a nova natureza, o pecado perdeu seu domínio sobre nós.  Aquela nova natureza nos ajuda a discernir o que Deus quer que nós tenhamos quando lemos a Sua Palavra.

Hebreus 8:10,11 fala sobre isso:  Porque esta é a aliança que firmarei com a casa de Israel, depois daqueles dias, diz o Senhor: na sua mente imprimirei as minhas leis, também sobre o seu coração as inscreverei, e eu serei o seu Deus, e eles serão o meu povo.

E não ensinará jamais cada um ao seu próximo, nem cada um ao seu irmão, dizendo: Conhece ao Senhor, porque todos me conhecerão, desde o menor deles até ao maior.

Esta é a promessa de Deus para nós: "Todos vocês poderão me conhecer".  Sob a Nova Aliança, que é um caminhar individual do menor ao maior, cada pessoa recebe uma nova natureza quando nasce de novo.

Isto significa que é nossa escolha acreditar ou não em alguma coisa contrária à Palavra e viver num caminho contrário a Ela.  Mas, naquele dia nós estaremos diante de Jesus, todos os segredos dos nossos corações serão revelados.  Nós vamos descobrir naquele dia do que a nossa consciência nos ACUSOU, ainda que queiramos fugir daquilo ou dar alguma desculpa, tudo virá às claras.

Então qual é o propósito da Lei para as nossas vidas como cristãos?  Bem, a Lei é para os indisciplinados.  Simplesmente pegue as leis dos Estados Unidos como um exemplo.  Este país é supostamente uma grande nação de cristãos; e ainda assim existem leis que previnem as pessoas de serem roubadas ou tomarem posse de coisas alheias.  Por quê?  Bem, se você tem uma nova natureza você não quer roubar as coisas do seu irmão.  Mas você quer que a lei exista para que os que são mortos espiritualmente não venha roubar as SUAS coisas!

Então vamos aplicar este entendimento da nova natureza a um assunto particular: SER FILHO E HERDEIRO VERSUS  FORMALIDADE EM DAR O DÍZIMO.  Dois anos atrás, fui ousado em definir estes termos com alguém que realmente é ignorante, ainda que acreditasse em Deus.  Se eu estivesse pensado bem no que eu estava fazendo, deveria ter tido medo!

Ensinei a minha congregação que eles não estavam mais debaixo da Lei e que o dízimo era algo da Lei. Como crentes, os dízimos e as ofertas deveriam ser governados pela sua nova natureza e a lei da consciência.

Bem, eu não fiquei desesperado, chorando. Eu sabia que todos nós estávamos na "escola", aprendendo como andar de acordo com a nossa nova natureza.  Mas eu também soube que: 1) nós tínhamos que aprender a sermos fiéis no pouco, ou nunca seríamos fiéis no muito; 2) nós tínhamos que começar a mudar as nossas necessidades, ou nunca mudaríamos em nada.  Além disso, eu percebi que é apenas quando o diabo NÃO ESTÁ tentando nos parar que estamos provavelmente no caminho errado!

Eu comecei ensinando isso no dia em que "caiu a ficha" do porquê Deus instituiu o dízimo na Antiga Aliança. Pense nisto deste jeito: Um homem morto espiritualmente não vai pagar impostos a menos que seja obrigado.  Quero dizer, se o governo disser, "Tudo bem, pagar os imposto é algo voluntário, de acordo com a sua consciência", as pessoas iriam provavelmente usar as rodovias até que virassem crateras e deixariam que as escolas públicas fossem fechadas antes que pagassem os impostos!

Então, a única razão pela qual as pessoas pagam os impostos é porque alguém virá atrás delas, se elas não pagarem.   Ironicamente, a Igreja fez a mesma coisa com o dízimo.  Os cristãos então concluíram: "Você não precisa que o diabo venha atrás de você se você não der o dízimo.  Deus mesmo virá atrás de você".

(Continua...)

Nenhum comentário:

Postar um comentário